Lugar Cativo

"A melhor defesa é o ataque" Hugo Meisl

Cajuda

domingo, setembro 14, 2003
Manuel Cajuda é um técnico que nunca foi consensual entre os jornalistas desportivos portugueses, uns gostam outros detestam.
A verdade é que raramente atribuem a Cajuda o mérito que ele tem: o de pegar em equipas de pequena expressão e alcançar resultados admiráveis. Exceptuando a passagem infeliz pelo Belenenses, Cajuda conseguiu sempre superar as expectativas nos clubes que orientou. Foi sob o seu comando que o Sp. Braga alcançou os seus melhores resultados, a época passada conseguiu apurar a U. Leiria pela primeira vez na sua história para as competições europeias, já esta época ao fim de quatro jornadas colocou o Marítimo em primeiro com quatro vitórias. Muitos no entanto continuam a criticá-lo visto que as vitórias maritimistas foram todas por uma bola a zero.
A verdade é que o Marítimo até joga bem, e se apenas marca um golo por jogo a culpa é dos seus avançados que desperdiçam várias oportunidades; por outro lado até agora não sofreram nenhum o que é de louvar. E o mérito é todo de Cajuda.

Justiça futebolística

sábado, setembro 13, 2003
Se, após um jogador ser suspenso pela Comissão de Disciplina da Liga, um clube pretende recorrer dessa dexisão ao Conselho de Justiça esse recurso não têm efeitos suspensivos em relação à punição, para que é que servem esses recursos?
No caso de um jogador ser suspenso por uma partida pela CD o seu clube não tem vantagens em recorrer ao CJ, visto que o processo dificilmente será apreciado antes do próximo jogo desse clube. Ou seja, mesmo que a CJ decide que o castigo foi mal aplicado os benefícios são zero, porque o jogador já cumpriu o castigo.
Não percebo!!

E no fim quem paga?

sexta-feira, setembro 12, 2003
É um facto que um dos momentos da carreira de um jogador é representar a selecção do seu país (de origem ou de acolhimento). Mas também não deixa de ser verdade que a presença dos jogadores na selecção origina problemas nos clubes que estes representam; para além do tempo de ausência dos jogadores a nível dos treinos (o que invalida uma preparação mais cuidadosa dos próximos desafios) há sempre o risco de lesões que representam uma perda do investimento dos clubes.
Paradigma disso é o caso com que Mourinho se depara para o jogo com a União de Leiria: Alenitchev de fora durante cerca de um mês; Deco e Costinha impossibilitados de dar o seu contributo à equipa pelo menos neste jogo; e Maniche que ainda se encontra em dúvida. Podemos recordar outros casos como a lesão de Jorge Costa que o impossibilitou de participar no Euro'96 ou a de Simão na época passada que o afastou do Mundial.
Acho que é urgente uma reformulação da forma como os clubes são compensados (ou nestes casos não) pelas selecções no caso de lesão por parte dos seus atletas. É preciso não esquecer que quem paga aos jogadores são os clubes ou as SAD's a que estão contratualmente ligados e que são estas (para além do jogador) as grandes prejudicadas nestas situações.

P.S. Mourinho tinha razão quando nomeou a Selecção (no sentido das convocatórias) como um dos principais problemas para a época corrente.

Comissão de Disciplina

Benni McCarthy foi suspenso por 2 jogos pela Comissão Disciplinar da Liga. Apesar da rapidez com que saiu o castigo (é de louvar), não se pode deixar de ficar surpreso com a decisão.
Ora se o Presidente da dita Comissão, que instaurou o processo sumaríssimo e sugeriu os dois jogos de punição, voltou atrás na sua decisão de penalizar o jogador com dois jogos, é no mínimo estranho que os outros quatro elementos votassem a favor. E porque é que o Beto não recebeu castigo se é nítida a agressão deste a McCarthy? E como é que a Comissão que através do vídeo do jogo suspende um jogador deixa passar impune situações do mesmo jogo onde jogadores se agridem (Beto e Derlei)? O vídeo era diferente? Só é punível se houver sangue?
Veremos se os castigos se manterão uniformes ou se ondulam ao sabor das cores!!!

Apuramento para o Euro'2004

quinta-feira, setembro 11, 2003
Para além de Portugal, na qualidade de paí­s organizador, mais quatro selecções garantiram na ronda de ontem o apuramento para o Euro'2004. França, Rep. Checa, Suécia e Bulgária alcançaram o primeiro lugar dos respectivos grupos e podem começar a visitar o nosso país em busca de locais de estágio.

No Grupo 1 foi sem surpresa que os actuais campeões europeus alcançassem o apuramento, com um registo até ao momento invicto (7 jogos, 7 vitórias) os franceses venceram o seu grupo sem grande oposição. O 2º lugar está entregue à  Eslovénia que pode ainda sonhar com a participação na competição via play-off.

No Grupo 2 ainda está tudo por decidir sendo apenas certa a eliminação do Luxemburgo. As restantes 4 equipas - Roménia (14 pts; 8 j.), Dinamarca (14 pts, 7 j.), Bósnia (12 pts, 7 j.) e Noruega (11 pts, 7 j.) - podem ainda aspirar ao apuramento quer por via directa ou através da disputa do play-off.

Com a vitória de ontem por 3-1 sobre a Holanda, a Rep. Checa garantiu o triunfo no grupo 3 e relegou os holandeses para a disputa do play-off.

A Suécia confirmou ontem na Polónia o apuramento (vitória por 2-0); o segundo lugar do Grupo 4 estará em disputa na última jornada entre Letónia (13 pts.), Hungria (11 pts.) e Polónia (10 pts.).

No Grupo 5, com a vitória de ontem por 2-1 sobre a Escócia a Alemanha (15 pts.) garantiu no mí­nimo o segundo lugar do grupo dependendo de apenas um empate no último jogo em casa frente à Islândia, segunda classificada com 13 pts. Os escoceses (11 pts.) viram complicar-se as contas para o apuramento para o play-off, precisando agora de um desaire islandês e de uma vitória frente à Lituânia, que com 10 pts. pode ainda aspirar ao segundo lugar do grupo.

Interessante disputa para o primeiro lugar do Grupo 6 entre a Grécia (15 pts.) e a Espanha (14 pts.), estando tudo dependente dos resultados entre os gregos e a Irlanda do Norte e do jogo entre Espanha e Arménia.

No entanto o grande jogo da última ronda será o Turquia - Inglaterra referente ao Grupo 7. As duas equipas estão neste momento separadas por 1 ponto com vantagem para os ingleses esperando-se um ambiente escaldante em Istambul.

No Grupo 8, com o primeiro lugar já entregue à Bulgária, o interesse está agora centrado na disputa do segundo lugar entre Croácia e Bélgica ambas com 13 pontos.

Já com apuramento garantido para os play-offs estão no Grupo 9 Itália (14 pts.) e Gales (13 pts.); faltando apenas definir qual a equipa que se irá apurar directamente. Os italianos partem em vantagem já que recebem em casa o Azerbaijão, último do grupo.

Finalmente, no Grupo 10 instalou-se uma disputa interessante entre três equipas graças à goleada imposta ontem pela Rússia à Suiça (4-1). Os russos (11 pts.) colocaram-se numa excelente posição para garantirem pelo menos o acesso aos play-offs, já que na última jornada recebem em casa a Geórgia enquanto que os seus adversários directos- Suiça (12 pts.) e Rep. Irlanda (11 pts.) - se defrontam em solo helvético.

Diferenças

Portugal - Turquia: Estádio Municipal do Fontelo, Viseu. Péssimas condições do relvado e do estádio em si.

Inglaterra - Portugal: Goodison Park, Liverpool. Um estádio moderno com excelentes condições, nomeadamente ao nível do relvado.

Pequenas diferenças...

Ganhámos!!!

quarta-feira, setembro 10, 2003
Não é que isso nos valha de grande coisa, mas enfim!!!
A selecção nacional lá venceu a Noruega em mais uma exibição fraca e que nãp deixa grandes expectativas para o Europeu! Portugal continua a não ser capaz de impor o seu jogo limitando-se a defender e a esperar que um contra-ataque dê resultado; naquilo que seria um cenário impensável até há bem pouco tempo, a selecção norueguesa dominou a partida e só se pode queixar da sua falta de capacidade para justificar a derrota.
Como já esperava, as alterações de Scolari em nada mudaram a postura da equipa que, embora pressionando no início de jogo, rapidamente caiu na pasmaceira dos últimos jogos e arrastou-se em campo sem ser capaz de produzir lances de perigo para a baliza nórdica.
Ainda não percebi a aposta em Rui Jorge que continua a mostrar que não tem capacidade para jogar na selecção; Beto é outra opção que não se compreende; Miguel está a anos luz da qualidade de Paulo Ferreira; Frechaut apesar de esforçado não tem a capacidade de Maniche ou de Tiago (mas como ambos estavam impedidos é uma solução aceitável); se o Figo não está bem (e não está) não percebo porque continua em campo; e o Ricardo Carvalho faz mesmo falta a esta equipa.
Estou ansioso pelo jogo com a Albânia!! Oba, Oba!!!

P.S. Até quero ver os comentários dos "críticos" de Scolari do último fim-de-semana; provavelmente já foram restaurar o stock de graxa...

Vedetismos

A selecção nacional de sub'21 venceu a Inglaterra por 2-1 garantindo assim o 2º lugar no grupo 7 e o direito de sonhar com a qualificação para os play-offs de acesso ao Campeonato da Europa. Apesar da vitória e de uma exibição melhor do que aquela realizada frente à Turquia, os jovens portugueses continuam a mostrar atitudes que não os dignificam e que só prejudicam a equipa.
Ricardo Quaresma quando foi substituido mostrou publicamente o seu desagrado pela situação, algo que não é admissível quer seja jogador do Barcelona ou de um qualquer clube dos campeonatos distritais. Por mais injusta e absurda que fosse a substituição (e foi!) Quaresma tinha mais era que respeitar a opção do técnico e mostrar o seu descontentamento em particular.
Por outro lado, Cristiano Ronaldo assume-se como a grande coqueluche da equipa e uns degraus bem acima dos companheiros, que certamente dependem do seu génio para alcançar qualquer coisa; pois só assim se explica que continue a tentar fazer tudo sozinho sem sequer pensar na hipótese de passar uma bola que seja a um colega de equipa. Também me parece que atingiu um estatuto de "vaca sagrada" nesta selecção pois por mais mal que jogue (ontem foi uma nulidade) o seleccionador parece ter medo de o substituir; algo que só acontece quando não resta mesmo alternativas a José Romão como sucedeu ontem.

Agora é a doer

terça-feira, setembro 09, 2003
A selecção sub'21 de Portugal tem hoje à noite uma partida decisiva frenta à Inglaterra. Do resultado deste jogo depende o apuramento para os play-offs de acesso ao Campeonato de Europa da categoria. A derrota da passada sexta-feira frenta à Turquia hipotecou as aspirações de alcançar o primeiro lugar do grupo e assim obter o apuramento directo para a fase seguinte; resta agora aos portugueses alcançar o segundo lugar do grupo e esperar ser um dos seis melhores segundos de forma a garantir o apuramento.
Como o apuramento dos seis melhores segundo classificados se faz através da contagem dos pontos obtidos no confronto com os quatro primeiros classificados do grupo, a missão portuguesa não se avizinha nada fácil. Embora uma vitória frente aos ingleses garanta imediatamente o segundo lugar, pode não ser suficiente para que garantir o apuramento. É necessário vencer também a Eslováquia no último jogo da fase de grupos de forma a alcançar 12 pontos que se espera serem suficientes para o apuramento. Um empate ou derrota colocam quase definitivamente a selecção nacional fora da rota de apuramento, o que constituirá um falhanço inaceitável tendo em conta o valor dos jogadores lusitanos.

Ainda Scolari...

segunda-feira, setembro 08, 2003
Portugal no seu bom estilo trágico-cómico anda pelas ruas da amargura com os desempenho recentes da selecção, instaurando-se uma verdadeira caça às bruxas para encontrar responsáveis. Vamos lá ver uma coisa: não adianta dizer que com este ou com outro era diferente, e é preciso que Scolari entenda que não basta trocar de jogadores para que as coisas passem a funcionar bem. Essa é uma solução a curto prazo e que não dará os frutos necessários para quem pretende lutar pelo título europeu.
Mais do que mudar os jogadores é preciso uma alteração do sistema de jogo. Por mais que o seleccionador defenda a sua filosofia já devia ter chegado à conclusão óbvia de que ela não funciona com a nossa selecção; e se Scolari não encontrar um sistema da jogo que potencie as características dos jogadores lusitanos é melhor abandonar o cargo porque não merece pertencer ao "clã".
Claro que a presença de V. Baia, R. Carvalho, P. Ferreira, Tiago, Quaresma, H. Viana, H. Postiga e Petit permitem dotar a selecção de soluções de grande nível, mas como Scolari não conta com o primeiro e com o último (está no seu direito) não adiante estar sempre a filosofar sobre o comportamento da selecção se eles lá estivessem. Os restantes tenho quase a certeza que estando em condições estarão presentes no Europeu, se não estiverem acho que os portugueses têm todo o direito de processar Scolari e exigir uma indemnização choruda. Também é óbvio que jogadores como Beto Rui Jorge e Meira não têm lugar na selecção.
Mas mesmo com estas ausências e presenças a selecção portuguesa tem a obrigação de produzir mais do que aquilo que tem feito sob o comando de Scolari, e aí as responsabilidade são todas do treinador e do sistema de jogo adoptado pois já teve ao seu serviço mais de 30 atletas.

Perdoemos-lhe, que ele não sabe o que diz!!!

domingo, setembro 07, 2003
No revista Superfoot do mês de Setembro, Jorge Baptista assina um artigo onde exalta as qualidades de Scolari e a sua personalidade "por ser um homem e técnico de convicções fortes e seguras, independentemente das chocantes pressões a que tem vindo a ser sujeito desde que se viu forçado a enfrentar o famigerado "Sistema" [assim mesmo com maiúsculas] do futebol português." E continua culpando a comunicação social portuguesa de defender o tal sistema encobrindo-o, acusando Vítor Baia de ser um "fenómeno mediático".

Ora para começar gostaria que o senhor Jorge Baptista nos ilucida-se sobre o tal "Sistema" senão torna-se incoerente consigo próprio ao encobri-lo. Já que acha que se Scolari conseguir mudar a mentalidade do futebol português "cinco por cento que seja, já será merecedor de todo o dinheiro que veio ganhar para o nosso país" sugiro-lhe que seja ele a pagar do seu bolso e assim nós deixaremos de contestar as soluções estapafúrdias que (não) tem encontrado para a nossa selecção.
Mas claro que Jorge Baptista não está a tecer críticas ao FC Porto porque ele é isento e pensa pela sua cabeça e elogia Ricardo Carvalho "que até é do FC Porto". Ele apenas acha que o facto de Portugal jogar o pior futebol dos últimos tempos é uma avanço na mentalidade da Idade da Pedra em que se encontra o futebol português.
Felizmente para nós que Jorge Baptista, esse grande comentador de créditos firmados (só não se sabe onde), não pensa muito; mas quando pensa...

P.S. A humilhação às mãos da Espanha deve ter elevado até aos píncaros a sua admiração por Scolari!!!

Bajuladores

Desde que chegou a Portugal assumindo a sua personalidade de mandão, de peito inchado com a conquista do campeonato do mundo, Scolari tem sido endeusado por alguma comunicação social lusitana que teima em ver nele qualidades que não o são e capacidades que na realidade não possui. Com a sua filosofia do "quero, posso e mando" Scolari auto-proclamou-se senhor da selecção e não admite qualquer contestação e crítica ao seu trabalho. A qualquer pergunta que lhe façam que considere inoportuna (seja de interesse público ou não) responde de uma forma rude e mal educada.
Scolari tem de perceber que não é ele quem manda na selecção e em Portugal e que não é nenhum ser iluminado que veio ensinar os pobres mortais como se joga futebol (muito pelo contrário!!!). De qualquer forma a sua atitude nas conferências de imprensa é o prémio justo para com os seus bajuladores que cada vez que fala abanam o rabinho e deitam a língua de fora a arfar.

P.S. Ontem um certo iluminado colocou um cartas no Estádio Afonso Henriques onde se podia ler: "Obrigado Scolari por pôr o Pinto da Costa e o Mourinho na linha". Isto para além de demonstrar a idiotice do autor do cartaz, demonstra que a estratégia de Scolari de fazer guerra com o FC Porto atingiu os seus objectivos: ganhar a admiração dos adeptos anti-portistas (a maioria da população). Por outro lado, a selecção joga mal, não convence e os resultados não aparecem. Bem, mas desde que Scolari mantenha Pinto da Costa e Mourinho na linha não há problema...

E viva la España

Portugal foi autenticamente humilhado no Afonso Henriques pela selecção de nuestros hermanos. 3-0 é um resultado contundente e não deixa dúvidas, para quem não viu o jogo, da justiça do resultado. Quem viu pode achá-lo escasso tal foi o banho de bola que os espanhois nos deram; pior do que banho de bola só mesmo a goleada táctica de Iñaki Saez a Scolari.

O técnico campeão mundial consegui em pouco menos de um ano em pôr a selecção de todos nós a jogar um futebol de péssima qualidade. Ora se os jogadores são praticamente os mesmos, se os novos são tão bons ou melhores do que os que estiveram no Euro'2000 e no apuramento para o Mundial, se a táctica é a mesma, a fraca qualidade de jogo só pode advir do sistema adoptado por Scolari! O Brasil foi campeão do mundo a jogar o pior futebol da sua história, mas mesmo assim Scolari foi visto por "especialistas" como o técnico ideal para a selecção portuguesa. Vê-se!!!

Desde que chegou Scolari limita-se a arranjar polémicas inusitadas e a ter opções "anormais" (sendo que no entanto essas opções têm é que ser respeitadas). Por aquilo que veio para cá ganhar (de borla é caro!!!) podia-se ter escolhido alguém mais competente e identificado com o futebol europeu e em particular o português.

Afinal quem manda?

sábado, setembro 06, 2003
Ao convocar Bruno Vale para o jogo da selecção principal frente ao Cazaquistão, colocando-o à frente de outras escolhas mais óbvias, Scolari promoveu o jovem guarda-redes do FC Porto a terceiro guarda-redes de Portugal (não se percebe que a opção recaia sobre outro jogador sendo que esse nunca foi convocado pelo brasileiro). No entanto na selecção sub'21 Bruno Vale é substituto de Moreira.
Ainda não consigo perceber como um jogador que merece a confiança do treinador da selecção A é preterido em virtude de outro que nunca foi convocado para o escalão principal.

Tempo de mudança

sexta-feira, setembro 05, 2003
Mudança de mentalidade em alguns jogadores dos sub'21 portugueses precisa-se e rápido, ou corre-se o risco de ver mais uma geração de ouro (esta mais do que a outra) perder-se no esquecimento.

A derrota por 2-1 com a Turquia foi apenas a confirmação de que apesar de contar com um dos melhores grupos de jogadores do escalão a nível mundial, Portugal continua a não conseguir impor-se. A exibição foi apagada, sofrível mesmo. Os jogadores portugueses não conseguiram encontrar, senão nas bolas paradas, para dificultar a vida à formação turca. O golo português é disso exemplo: foi preciso um erro clamoroso de guarda-redes e defesa adversário para que Portugal marcasse. Por outro lado, os golos turcos foram duas obras-primas de bom futebol jogado de forma rápida e simples.
Coisa que Portugal não foi capaz, não só devido à eficaz estratégia defensiva dos turcos, mas também devido à inoperãncia lusitana onde predominou o individualismo. Chega a levar ao desespero ver como os jovens portugueses desperdiçam possibilidades de ataque em mais um adorno. Assim não dá.

José Romão cometeu erros na escolha do onze ao incluir Mário Sérgio e Tiago que demonstraram ter falta de ritmo competitivo devido a não jogar e ainda estar a recuperar de uma lesão respectivamente. Pedro Neves teve uma actuação infeliz sendo várias vezes ultrapassado; R. Costa e B. Alves foram dos melhores elementos da equipa portuguesa mas não estão isentos de algumas falhas de marcação. Moreira mostrou-se demasiado ansioso, principalmente a jogar com os pés e, embora sem culpa nos golos, algo lento a sair da baliza.
No meio campo safou-se Hugo Viana que foi o mais inconformado; Tiago não está em forma e Bosingwa esteve muito melhor como lateral-direito do que com trinco. A entrada de Raúl Meireles foi algo tardia e o 2º golo turco partiu a equipa portuguesa deixando-o sem grande margem de manobra.
O ataque foi o pior sector demonstrando falta de ideias e de coordenação. Postiga esforçado mas ineficaz; Quaresma a não conseguir retirar proveitos dos seus dribles; C. Ronaldo uma autêntica nulidade; Lourenço o mais mexido, mas pecou na finalização; e Makukula que não acrescentou nada de novo. O treinador também não teve a coragem necessária para abdicar de um dos defesas para apostar numa maior supremacia no meio-campo.

Uma última referência para o péssimo estado do relvado, uma situação já natural em Portugal e que se trata de uma vergonha.

Selecções

As selecções nacionais AA e sub-21 têm pela frente uma jornada dupla da vital importância para ambas, embora os motivos sejam bem distintos.

A selecção sub-21 defronta hoje a sua congénere turca num jogo que está obrigada a vencer se quer continuar a aspirar com uma presença na fase final do Europeu e nos Jogos Olímpicos de Atenas. A formação orientada por José Romão é composta talvez pelo melhor grupo de jogadores deste escalão a nível europeu; podendo contar com os AAs Bruno Vale, Tiago, Hugo Viana, Quaresma, Cristiano Ronaldo e Hélder Postiga o técnico português tem à sua disposição argumentos suficientes para bater os turcos, redimindo-se do resultado negativo (4-2) que se verificou na Turquia.
Neste momento Portugal é 2º no grupo 7 somando 12 pts., menos 4 que a Turquia líder do grupo apesar de ter um jogo a mais. Mesmo com a vitória no jogo de hoje, Portugal necessitará de vencer a Inglaterra na próxima terça-feira para poder passar para primeiro. Um resultado negativo por outro lado colocará a selecção nacional numa posição muito complicada.

Para o jogo de hoje, Portugal deve alinhar com a seguinta equipa:

Moreira - M. Sérgio; R. Costa; B. Alves; H. Luz - Bosingwa; Tiago; H. Viana - Quaresma; C. Ronaldo; H. Postiga.

A formação turca orientada por Rasit Çetiner deverá apresentar o seguinte onze:

Volkan - Cerkan; Servet; Suat; Yavuz - Toroman; Selçuk; Kemal - Okan; Huseyn; Ugur.


Por outro lado, a selecção AA defronta amanhã a formação espanhola num duelo sempre apetecido devido à rivalidade dos dois países. Este é, na minha opinião, um teste crucial para a formação portuguesa visto estarmos a atingir uma altura em que Scolari tem que terminar as experiências e começar a definir os jogadores com que conta para o Europeu.

Duas afirmações marcam este desafio:

- desde logo a afirmação de Madaíl de que se fosse ele a decidir convocari Baia e que há bons jogadores cujo talento (ou capacidade) não é reconhecida. Apesar de depois dizer que apoia totalmente as escolhas do seleccionador, esta foi uma forma subtil de mostrar um cartão amarelo a Scolari, o que representaria na realidade um cartão vermelho a Madaíl já que o técnico brasileiro é uma aposta pessoal do presidente da Federação.

- na conferência de imprensa a respeito do próximo jogo, Scolari afirmou que está apenas preocupado em vencer o jogo e não em que a equipa jogue bem. Por mais que seja verdade que se não alcançar resultados positivos Scolari coloca o lugar em risco, o treinador brasileiro tem que entender que a selecção portuguesa é (foi) das que melhor futebol pratica a nível mundial, e essa é uma imagem de marca que os portugueses não estão dispostos a perder.

quinta-feira, setembro 04, 2003
Interrupções

Todos os jogos o cenário repete-se: um adversário aproxima-se a menos de 2 metros, a unha do dede mindinho do pé encrava, o craque rebola como se tivesse realmente em perigo a sua existência, o árbitro apita, os médicos entram, observam, observam, observam, vem a maca, os médicos continuam a observar, a maca espera, o jogador levanta-se, a maca vai vazia, o jogador ainda combalido sai apoiado, ultrapassa uma das linhas que demarca o terreno de jogo e... milagre, curou-se!!!

Não era muito mais simples, rápido e eficaz se entrasse a maca, retirasse o jogador de campo e aí ele fosse observado e recebesse assistência???
Eu não pago para ver médicos e bombeiros a desfilarem...

Queixas

O Sporting resolveu apresentar à Liga uma exposição queixando-se da agressão de Benni McCarthy a Beto. Não estando contra a exposição, o que me surpreende é que tenha sido feita em nome de quem foi (não que ache que o Beto seja descriminado). É preciso ter lata para se queixar da atitude de um jogador quando o próprio lesado usa e abusa desse tipo de situações.
Sinceramente acho que Beto mereceu. Para um jogador que passe o jogo com atitudes antidesportivas, aproveitando a altura em que a sua equipa está a atacar e os olhares estão centrados no outro lado do campo para agredir adversários de formas subtis (socos, cotoveladas...), acho que tomar um pouco do seu remédio lhe faz bem. Pode ser que aprenda.

Já agora quando é que os jogadores portugueses assumem o que se passa no campo como homens e deixam de andar a fazer queixinhas como meninos da primária???

quarta-feira, setembro 03, 2003
Ricardo Carvalho: pura classe

Mais uma vez Ricardo Carvalho realizou uma exibição fantástica mostrando (se ainda houvesse dúvidas) que é o melhor defesa central português e um dos melhores a nível mundial. O único que teima em não ver isso é o seleccionador nacional Luís Filipe Scolari; comparando a exibição de Ricardo Carvalho com a de Beto (um dos convocados de Scolari) é perfeitamente visível a diferença existente entre ambos a favor do defesa central portista. Como diria o outro: senhor Scolari se sabe, sabe; se não sabe, arruma para o lado que há quem faça melhor.

P.S. E se a camisola que o Ricardo Carvalho usa fosse de outra cor????

Dragão já queima

Mourinho prometeu, a equipa cumpriu. No rescaldo do jogo com o Milan para a Supertaça Europeia, José Mourinho avisou que tinha recuperado a sua equipa e que os próximos adversários dos azuis-e-brancos irão pagar a factura da frustração que a derrota tinha provocado. A verdade é que contra o Sporting viu-se um FC Porto semelhante ao da época passada com uma excelente troca de bola, pressão alta e intensa e solidez defensiva.

A vitória nunca pareceu estar em causa muito por causa do madrugador golo de Derlei a corresponder de cabeça a um cruzamento quase junto ao solo de Paulo Ferreira. Durante toda a primeira parte o Sporting não demonstrou ser capaz de contrariar o melhor futebol portista e as melhoras oportunidades pertenceram aos dragões, Derlei mostrou-se muito perdulário.

Apesar das substituições feitas por Fernando Santos, a tendência do jogo manteve-se e foi com naturalidade que Jankauskas aumentou a vantagem aproveitando um erro clamoroso da defesa leonina envolvendo Miguel Garcia e Rochemback. O golpe de misericórdia foi dado por Maniche num fantástico remate de primeira aproveitando um alívio incompleto da defesa do Sporting.

A partir do 3º golo o FC Porto aliviou ligeiramente a pressão e permitiu que o Sporting tomasse conta do jogo embora sem ameaçar a baliza de Baia. O golo de honra dos leões foi apontado por Rochemback na transformação de um livre directo que não deu a mínima hipótese de defesa a V. Baia. A partir daí o FC porto recuperou o controlo do jogo e ampilou a vantagem com um golo apontado por Benni McCarthy na transformação de uma grande penalidade.

A vitória do FC Porto não merece contestação nem é exagerada tal foi a superioridade portista. Fernando Santos prometeu uma equipa a jogar para ganhar mas, ou mudou de ideias ou os seus jogadores não foram capazes de colocar em prática a estratégia montada.

O árbitro Olegário Benquerença esteve mal ao assinalar a grande penalidade que permitiu ao FC Porto marcar o seu 4º golo, mas deixou passar em claro lances na área do Sporting que dariam origem a grandes penalidades. Interrompeu várias vezes desnecessariamente o jogo não interpretando correctamente a lei da vantagem. É ainda inexplicável como determinados jogadores não viram o cartão amarelo devido a faltas perigosas, o mesmo se passando em relação ao acumular de faltas cometidas por Rochemback sem que este visse cartão amarelo.

F.C. Porto 4 - 1 Sporting C. P.

Jogo disputado no Estádio das Antas.

Árbitro: Olegário Benquerença

F.C. Porto: V. Baia; P. Ferreira, N. Valente, J. Costa, R. Carvalho; Costinha, Maniche, Alenitchev (sub. Bosingwa '88), Deco (sub. P. Mendes '81); Derlei, Jankauskas (sub. McCarthy '74).

Sporting: Ricardo; M. Garcia, R. Jorge (sub. L. Filipe '52), Beto, Hugo; Custódio, Rochemback, Tello, Toñito (sub. P. Barbosa '65); J. Pinto, Lourenço (sub. Liedson '52).

Golos: '3 1-0 por Derlei
'51 2-0 por Jankauskas
'64 3-0 por Maniche
'78 3-1 por Rochemback
'88 4-1 por Benni McCarthy

terça-feira, setembro 02, 2003
FC Porto vs Sporting

Naquele que será o último derby entre dragões e leões no Estádio das Antas espera-se um jogo de grande nível tendo em conta as declarações dos técnicos das duas equipas. José Mourinho mostrou-se frustrado pela derrota na Supertaça e prometeu fazer os próximos adversários dos azuis-e-brancos "pagarem". Não mostrando para já o futebol que na época passada encantou a Europa, o FC Porto mostrou na 2ª parte do jogo com o AC Milan que pode ombrear com qualquer formação; as exibições menos conseguidas pelos portistas neste início de temporada prendem-se mais com falta de ritmo competitivo dos seus jogadores do que com perda de ambição por parte destes, isto na minha opinião.
Por outro lado, Fernando Santos prometeu não atemorizar-se com a aquipa do FC Porto e fazer a sua equipa jogar ao ataque. Os leões estão confiantes em virtude das duas vitórias conseuidas em outros tantos jogos.

Equipas prováveis:

FC Porto: V. Baia; P. Ferreira, N. Valente, J. Costa, R. Carvalho; Costinha, Maniche, Deco; Bosingwa, Derlei, Jankauskas.

Sporting: Ricardo; M. Garcia, R. Jorge, Beto, Hugo; Custódio, Rochemback, Tello; Toñito, J. Pinto, Lourenço.

Árbitro: Olegário Benquerença

Superliga: classificação

1º Marítimo 9 pts.
2º Boavista 7 pts.
3º Sp. Braga 6 pts.
4º Nacional 6 pts.
5º Sporting 6 pts.
6º FC Porto 4 pts.
7ª Benfica 4 pts.
8º P. Ferreira 3 pts.
9º Beira Mar 3 pts.
10º Alverca 3 pts.
11º Moreirense 3 pts.
12º Académica 3 pts.
13º V. Guimarães 3 pts.
14º G. Vicente 1 pt.
15º U. Leiria 1 pt.
16º Belenenses 1 pt.
17º Rio Ave 1 pt.
18º E. Amadora 1 pt.

Resumo

Desde que fui de férias foram vários os acontecimentos que marcaram o futebol português: a Superliga teve o seu início; o FC Porto venceu a Supertaça Cândido de Oliveira mas, infelizmente, perdeu para o AC Milan a Supertaça Europeia; o Benfica foi incapaz de eliminar uma Lázio ainda em cinstrução e viu-se assim arredado da Liga dos Campeões; a União de Leiria garantiu a sua primeira presença nas provas da UEFA; a seleção nacional derrotou em mais um jogo de preparação o Cazaquistão...

Tendo em conta o desfasamento temporal, estes acontecimentos vão ficar sem a minha opinião.

Tou de volta! Demorou mais do que esperado devido a problemas técnicos, mas paciência...